5 filmes para conhecer o cinema mexicano contemporâneo

Nem só de melodrama e comédias pastelão é feito o cinema mexicano. Como acontece no Brasil, nos últimos 10 anos o México tem vivido um período de intensa fertilidade audiovisual. São lançados e premiados filmes de todos os gêneros, sobre diversos assuntos. Algumas dessas obras chegam às salas de cinema brasileiras, e outras tantas estão disponíveis online, por serem produzidas e/ou distribuídas por plataformas de streaming.

Nós listamos, então, cinco títulos do cinema mexicano contemporâneo para você assistir com fácil acesso e sem sair de casa. Acompanhe:

ROMA (Alfonso Cuarón)

Lançado no final de 2018 e enormemente reconhecido pelo Oscar 2019, Roma, de Alfonso Cuarón, já nasceu clássico. No longa, o diretor traça um retrato bastante intimista do que era ser mulher de ascendência indígena e empregada doméstica nos anos 1970. Para tanto, ele cruza o cotidiano da empregada Cleo (interpretada corajosamente pela estreante Yalitza Aparício) com o da patroa Sofía (Marina de Tavira).

Rodado todo em preto e branco, o filme original Netflix estabelece diálogos entre passado e presente, tratando de gênero, raça e classe.

*Disponível na Netflix 

Leia a crítica completa do filme aqui

Trailer:

(Fonte: Netflix Brasil/ YouTube)

COMPRA-ME UM REVÓLVER (Julio Hernández Cordón)

Num México perdido no tempo, onde a completa ausência do Estado e ascensão do poder dos cartéis locais provocam desaparecimentos de mulheres, um pai tenta proteger a filha pequena vestindo-a de menino.  Interpretada por Matilde Hernández, a criança protagonista vive sua jornada em um contexto extremo de masculinidades cruéis, miséria e aniquilação dos sentidos de comunidade. 

Embora duro ao retratar a vulnerabilidade das crianças latino-americanas, o longa de Hernández Cordón ainda consegue manter alguma coisa de lúdico na trama, homenageando o que há de esperançoso na infância.  

*Disponível no Google Play

Leia a crítica completa do filme aqui

Trailer:

(Fonte: Pandora Filmes Trailers/ YouTube)

LOS ADIOSES (Natalia Beristáin)

Em Los Adioses, a cineasta Natalia Beristáin desenvolve uma versão pessoal do que foi a trajetória de Rosario Castellanos Figueroa, considerada uma das vozes mais importantes da literatura mexicana do século XX.

Durante toda sua vida, Castellanos contestou o papel da mulher na sociedade mexicana. Buscou ser independente, profissional e ter uma carreira, mesmo após a maternidade e durante seu relacionamento conturbado com Ricardo Guerra. 

*disponível no Prime Video 

Trailer (em espanhol): Cinépolis

(Fonte: Cinépolis/ YouTube)

ANA Y BRUNO (Carlos Carrera)

Considerada a produção mais cara do cinema mexicano, a animação Ana y Bruno, de 2017, chegou ao Brasil direto no streaming. Na trama, a pequena Ana (Galia Mayer) é deixada junto da mãe (Marina de Tavira) em um hospital psiquiátrico sinistro. É ali que Ana faz amizade com o monstrengo Bruno (Silverio Palacios) e consegue o apoio de muitas outras criaturas inusitadas para enfrentar o dragão que perturba sua mãe.

Gracioso, visualmente deslumbrante e cheio de humor ácido, o longa fala sobre saúde mental para crianças e adultos.

*Disponível no Prime Video

Leia a crítica completa do filme aqui

Trailer (em espanhol):

(Fonte: Corazón Films/ YouTube)

TEMPO COMPARTILHADO (Sebastián Hoffman)

Pedro (Luis Gerardo Méndez) planejou férias perfeitas com a família em um resort de luxo. Chegando lá, porém, ele descobre que o lugar ofertou mais vagas do que era capaz de comportar. A partir de então, o personagem é obrigado a dividir apartamento com outra família. Aos poucos a convivência se torna insuportável e as paranoias tomam conta do que era para ser uma agradável e relaxante viagem.

Surrealista, psicológico e tragicômico, Tempo Compartilhado denuncia a indústria do turismo; bem como a brutalidade do capitalismo que tortura trabalhadores do lazer e pressiona turistas em busca de descanso.

*Disponível na Netflix

Leia a crítica completa do filme aqui

Trailer (em espanhol):

(Fonte: Cinépolis/YouTube)

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta