Fim de Festa, um noir pernambucano e carnavalesco

O carnaval  acabou. É quarta-feira de cinzas e o policial Breno (Irandhir Santos) volta antecipadamente de sua viagem de férias para investigar o assassinato de uma turista francesa no Recife. Ao chegar em casa de surpresa, ele descobre que o filho (Gustavo Patriota) está hospedando os amigos Penha (Amanda Beça), Ângelo (Leandro Villa) e Indira (Safira Moreira).

‘Fim de Festa’/ Divulgação

Envolto pelo clima de ressaca e desordem remanescente do feriado, Breno é pressionado pela opinião pública e pela mídia independente a solucionar rapidamente o caso da turista.  Em casa, a presença dos amigos do filho mexem com memórias do passado do protagonista. No trabalho, a busca por pistas o obriga a encarar os próprios fantasmas.

De Hilton Lacerda, mesmo diretor de Tatuagem (2013), Fim de Festa recebeu os prêmios de Melhor Filme e Melhor Roteiro do júri oficial da última edição do Festival do Rio.

NOIR CARNAVALESCO 

Flertando com estilo noir, o longa aproveita as perambulações de Breno pelo Recife, bem como o trânsito dos jovens em casa e fora dela, para revelar a composição do tecido social local. Contrapõe-se assim a caretice do conservadorismo brasileiro à potência quase ritualística das grandes e coletivas festas de rua; além de diferentes situações de classe e nacionalidade envolvidas no caso policial.

Imagem: divulgação

Aos poucos, a ressaca pós-carnaval começa a se transformar em analogia para uma certa paralisia contemporânea; uma espécie de mal-estar generalizado. O fim da farra nos bloquinhos traz de volta o amargor da realidade e suas contradições. Os conflitos estão escancarados e as queixas estão postas, mas o que fazer sobre eles quando o ano finalmente começa no Brasil?

Breno, grandiosamente interpretado por Irandhir Santos, tenta equilibrar os pratos da vida comum. É ele, portanto, o responsável por estabelecer a ponte da narrativa entre a constante busca da juventude por possibilidades de futuro e a frustração de quem é cotidianamente engolido pelas dinâmicas do sistema.

Um tanto quanto anti-heroico, embora bastante distante de ser uma figura autoritária, o personagem lida com os desafios de um emprego que não lhe satisfaz e tenta contornar a frustração de ver a ex-esposa seguindo a vida sem ele.

Atmosférico, Fim de Festa fala de um presente melancólico e tensionado; no qual parecemos prostrados individual e coletivamente. Porém, como é de praxe na obra de Lacerda, corpos e espaços físicos servem de instrumento para que confrontemos as implicações de tais tensões. O resultado disso é um filme que não oferece respostas messiânicas, mas que pretende retratar os entraves e as pulsões de sua época.

Trailer:
(Fonte: Imovision/ YouTube)

Ficha Técnica:

Direção: Hilton Lacerda

Duração: 1h40

País: Brasil

Ano: 2020

Elenco: Irandhir Santos, Gustavo Patriota, Amanda Beça, Leandro Villa, Safira Moreira

Gênero: Drama, Policial

Distribuição: Imovision

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta