O Segredo de Davi: suspense com serial killer é uma das estreias nacionais de novembro

Um suspense com reviravoltas, cenas chocantes de violência e um protagonista perturbado. Essa seria a mais simples descrição para O Segredo de Davi, longa-metragem brasileiro que já está em cartaz nos cinemas, desde o último dia 22.

Do jovem diretor Diego Freitas, a produção nacional é regada de referências religiosas e freudianas. “O roteiro começou há uns dez anos atrás. Ele [roteiro] tem muito da minha história de vida. Não que eu tenha matado ninguém…ainda [risos]”, compara o diretor ao próprio filme, em coletiva de imprensa em São Paulo.

Imagem: divulgação

Na obra, Davi (Nicolas Prattes) é um estudante de cinema extremamente solitário. Vivendo em um apartamento insalubre de cidade grande, o jovem gasta seu tempo livre filmando e editando vídeos sobre o mundo ao redor. Sempre escondido, o protagonista espreita os distraídos e os desavisados. Depois de conhecer Jonatas (André Hendges), no entanto, mais velho e descolado do que ele, Davi evolui de um mero voyeur para um sádico praticante; ou melhor, para um verdadeiro serial killer.

“Sobre o fato dele ser um serial killer ou não, para mim, importa menos. Para mim, importa muito mais o porquê dele estar fazendo aquilo. (…) O grande trabalho feito com o Nicolas (Prattes), principalmente, foi o dele entender o personagem Davi”, reflete Freitas sobre o personagem. Na pele do assassino, o igualmente jovem Prattes dá um verdadeiro show de atuação.

Ainda que a produção nacional exceda as expectativas por sua temática e ótimos efeitos visuais, ela acaba por escorregar na própria história. O maior problema, em O Segredo de Davi, é o fato de um desfecho tão manjado ser capaz de romper com a bruta – e, até então, feliz – originalidade do roteiro.

Imagem: divulgação

É muito raro assistirmos a um filme nacional do gênero de suspense, e, ainda mais, que seja, de fato, intrigante…e, de início, o longa de Freitas passa a impressão de que delineará uma curva dramática envolvente. Mas, infelizmente, não é o caso.

Em contrapartida, apesar dos problemas de roteiro, a produção traz pontos positivos isolados, e que chamam a atenção por si só. Um desses pontos, bastante fora da curva, é Caio, amigo de Davi e interpretado por João Côrtes.

“Esses personagens que são coadjuvantes, mas que têm uma personalidade muito forte, são muito interessantes”, avalia Côrtes sobre o amigo do protagonista. Já para o diretor do filme, o alívio cômico proporcionado por Caio vem de estereótipos da figura do adolescente. “O Caio é uma junção de um monte de coisa que o jovem é hoje; de um tipo de jovem, na verdade. E a ideia é [sic] a de colocar tudo isso [personalidades] em um mesmo personagem”, complementa Freitas.

Quanto às referências religiosas, também singularmente interessantes, o diretor explica: “(…) Eu cresci evangélico. Isso faz parte da minha formação. [Fui evangélico] até os meus 18 anos”. Davi, por exemplo, o nome do personagem-título, é bíblico. O mesmo acontece com Maria (Neusa Maria Faro), uma senhora idosa que representa a extrema carência afetiva do protagonista.

Imagem: divulgação

Um dos pilares da produção, aliás, concentra-se na relevância da instituição familiar. Sozinho e infeliz, Davi carrega consigo um trauma de infância muito forte, relacionado à sua desmembrada família. E, para além da ficção, a mãe de Nicolas Prattes, a atriz Giselle Prattes, também vive a mãe do próprio Davi. “Eu já havia trabalhado com o Nicolas antes. Nós fizemos dois espetáculos juntos”, relembra Giselle.

Enquanto Davi batalha tortuosamente por atenção, Nicolas cativa fãs por todo o Brasil através de seu trabalho em O Tempo não Para, a atual novela das 7 da Rede Globo. E, seja como um assassino em série ou como o mocinho da novela, o jovem ator tem estado cada vez mais em evidência.

Para aqueles que buscam por filmes brasileiros que excedam as expectativas convencionais, O Segredo de Davi é uma ótima pedida. Mesmo que imperfeita, a produção de Diego Freitas tem seus altos. E, somente por integrar à singela lista de obras nacionais de gênero, assistir a esse filme é como contribuir para que, gradualmente, a diversidade em nosso cinema se desenvolva.

 

Ficha técnica

Direção: Diego Freitas

Duração: 1h52

País: Brasil

Ano: 2018

Elenco: Nicolas Prattes, Neusa Maria Faro, Eucir de Souza, André Hendges

Gênero: Suspense

Distribuição: Elo Company

 

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta