SOBRE

Francamente, querida! é um site feito por mulheres e, principalmente, para elas. Escrevemos de forma muito honesta sobre cinema, produções de streaming e feminismo. De cunho empoderador, abrimos espaço para falar tanto sobre as maiores bilheterias, quanto sobre títulos nacionais, emergentes e do cinema independente.

Segundo o teste de Bechdel, – que mede a representatividade feminina em um filme – apenas produções que contenham mais de uma personagem mulher, que conversem entre si e que não falem sobre um homem, são aprovadas pelo próprio medidor. A precária existência de projetos essencialmente femininos; que não estereotipem as mulheres como símbolos sexuais; como dependentes de figuras masculinas; como sendo histéricas e pouco assertivas; ou, até mesmo, como criaturas pouco ativas no mercado de trabalho, evidencia a urgência de filmes, séries e demais manifestações da indústria cultural com sua participação direta.

Além disso, não são apenas as falhas na representatividade feminina do cinema que nos motivam a escrever. De acordo com dados da ANCINE (Agência Nacional do Cinema), em 2016, a participação do público nas salas de cinema, em filmes brasileiros, foi de 16,5%, contra 83,5%, em filmes estrangeiros.

Mesmo sem dados conclusivos sobre o comportamento do brasileiro nas plataformas de streaming, é possível perceber, pelos títulos mais assistidos, que existe um padrão de recusa a filmes nacionais. Vale lembrar que esses 16,5% de público costumam se concentrar nos grandes filmes comerciais – que geralmente são comédias de cunho assumidamente machista; ou, como em 2016, com temática religiosa.

A maioria das produções estrangeiras consumidas no Brasil são estadunidenses ou, às vezes, europeias – com destaque para a Inglaterra e França. Dificilmente temos acesso a filmes latino-americanos, o que dificulta bastante o desenvolvimento de um imaginário coletivo latino.

A partir de tudo isso, nasce o Francamente, querida!, um projeto idealizado por duas jornalistas progressistas e feministas, que enxergam o cinema, as séries e a internet como potentes agentes de transformação. Nosso intuito é dedicar um espaço especial ao cinema latino-americano e ao cinema nacional contemporâneo, de modo a pensarmos em um projeto sociocultural diferente.


QUEM FAZ?

 

Natália Folloni

Formada em Jornalismo pela PUC-SP, é fundadora e editora do Francamente, querida! Foi redatora no site de maternidade It Mãe durante o período de um ano, e teve a oportunidade de escrever e dirigir um documentário acadêmico sobre o corpo feminino em diferentes expressões artísticas de mulheres.

 

Vanessa Panerari

Formada pela PUC-SP, é fundadora e editora do Francamente, querida! É colaboradora do site Lado M e possui alguns textos publicados na Revista Fórum. Tem no currículo os cursos de Jornalismo Cultural (Senac) e Cinema, Gênero e Memória (Sesc).

 

 

COMENTÁRIOS