Ana, a comédia egocentrada de Ana de la Reguera

Ana é uma atriz prestes a completar 40 anos, insegura sobre a própria personalidade, filha de uma mãe enxerida e controladora que a educou para ser famosa e perfeita, frustrada com a carreira, instável em seus relacionamentos amorosos e dividida entre México e EUA. A personagem-título da série original Comedy Central, distribuída no Brasil pelo Prime Video, é criada, protagonizada e produzida pela mexicana Ana de la Reguera. Foi misturando ficção com fragmentos de sua vida íntima, familiar e profissional, então, que a criadora desenvolveu a protagonista.

‘Ana’/ Divulgação

Numa espécie de jornada egocentrada, De la Reguera almeja exercitar o rir das próprias desgraças. Na série, a personagem enfrenta uma crise de idade, dilemas sobre maternidade, relacionamentos cilada e uma enorme dificuldade para inserir sua carreira na indústria hollywoodiana. Cansada de trabalhar com novelas mexicanas, seu maior sonho é conseguir bons papéis em Los Angeles.

Ao todo, 10 episódios nos apresentam os vários dilemas de Ana, geralmente embalados por alguma cena musical bastante descolada do resto da narrativa e completamente dispensável para o conjunto da obra. 

PONTE AÉREA NOVELAS-HOLLYWOOD

Com muito para dizer sobre as desventuras da protagonista e pouco para apontar sobre o mundo que a rodeia, Ana tem suas limitações. Nesse sentido, o ponto mais alto da produção são os comentários sobre atrizes latino-americanas  que chegam cheias de sonhos em Hollywood e dão de cara com testes que só oferecem papéis estereotipados de mulheres latinas. Assim, as idas e vindas entre México e Los Angeles acabam rendendo grande parte dos poucos momentos realmente habilidosos do roteiro. 

Imagem: divulgação

Por outro lado, o alter ego ficcional da criadora da série não pretende  ser mais que protagonista de uma comédia de situação. Por isso, embora tente acertar contas com  indústria do entretenimento (tanto a mexicana como a hollywoodiana),  De la Reguera privilegia os conflitos tragicômicos de uma mulher tentando livrar-se das aparências; em processo de descobertas sobre seu verdadeiro eu e seu lugar no mundo contemporâneo. 

O resultado desta empreitada semi-autobiográfica é uma produção visivelmente meio baixo orçamento, que associa liberdade feminina a fumar maconha e brincar de lésbica e se vale de um humor que por vezes beira o grotesco. Fraca em todos os seus objetivos, a primeira temporada de Ana diverte pelo comprometimento da criadora protagonista, mas nada mais que isso.

Leia também: A Casa das Flores reinventa o dramalhão mexicano na Netflix

Ficha Técnica:

Criação: Ana de la Reguera 

País: México

Ano: 2020

Elenco: Ana de la Reguera, Andrés Almeida, Paulina Dávila, Michel Franco, Tina Romero,Carlos Miranda

Gênero: Comédia

Distribuição: Prime Video

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta