Assim, um curta amazonense sobre identidade de gênero

Em aproximadamente 12 minutos, Assim, curta-metragem da diretora amazonense Keila Serruya, acompanha uma manhã cotidiana na vida de duas mulheres trans. No filme, as protagonistas, interpretadas por Nayla Bianca e Patricia Fontine, acordam, se arrumam, tomam café, saem para fazer compras no mercado e voltam para casa. Ações que, à primeira vista, podem parecer simples para a maioria das pessoas, mas que para mulheres transsexuais são como constantes desafios às suas existências.

‘Assim’ / Divulgação

A câmera da diretora desliza pelo rotina das duas personagens buscando, nos mínimos detalhes, preencher a tela de significados. Num primeiro momento, o filme se comunica com o público através do que é íntimo. Compondo a narrativa a partir de sequências que, propositalmente, subvertem estereótipos de feminino e masculino e firmam a possibilidade de identidades outras – identidades que abrem espaço para personalidades, hábitos e religiosidades diversas.

Depois, durante a ida das personagens ao mercado, o íntimo é incorporado ao espaço público e confrontado por mensagens (verbais, físicas e comportamentais) de preconceito, estranheza e violência velada.

No curta, a ficção permite que Keila Serruya vá além do que seria somente acompanhar suas protagonistas. Isso porque a diretora pode construir e concentrar situações pelas quais essas mulheres passariam (e passam) a cada minuto de seus afazeres mais banais, o que torna sua narrativa dinâmica e a mensagem potente.

Além da importância temática, o filme ainda se destaca por ser uma produção amazonense, completamente fora do eixo tradicional do audiovisual brasileiro, dirigido por uma mulher e protagonizado por mulheres trans.

Dessa forma, Assim sustenta, com firmeza e até certa poesia, a necessidade do debate acerca das questões de gênero. Ali, na normalidade do cotidiano, o curta encontra espaço para esclarecer que para ser humano – em um mundo justo – bastaria fluir. Cinco anos depois de sua estreia, o recado da obra ainda é importante.

 

Clique aqui para assistir ao curta.

Leia também: Manual para incentivar o cinema nacional

 

Ficha técnica

Direção: Keila Serruya

Duração:13 min

País: Brasil (Amazonas)

Elenco: Nayla Bianca e Patricia Fontine

Ano: 2013

Gênero: Drama, Doc-Ficção

Disponível em: Hysteria

 

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta