Belmonte e as disfuncionalidades da masculinidade contemporânea

A vida profissional do artista plástico Javier Belmonte (Gonzalo Delgado) vai muito bem. Ele vende quadros para os ricos da cidade com alguma frequência e está organizando uma exposição importante de sua obra no Museu Nacional de Montevidéu. Mas nem tudo são flores.

Belmonte, personagem que dá título ao filme de Federico Veiroj, vive desgostoso, impaciente e até mal humorado. É um homem que não superou o divórcio e que enfrenta dificuldades para se encontrar no papel de pai agora que não convive com a filha Celeste (Olivia Molinaro Eijo) todos os dias.

‘Belmonte’/ Divulgação

Em crise com a própria masculinidade e com a paternidade, o personagem tenta ser um ex-marido cordial e um pai presente, mas falta traquejo para lidar  com as relações que passaram por mudanças. 

Percebemos que Belmonte almeja ser um filme sobre expressões disfuncionais da masculinidade na medida em que acompanhamos os encontros do protagonista com as diversas mulheres que passam por seu dia a dia – seja a filha, a ex-esposa, os relacionamentos casuais, a mãe ou as mulheres do trabalho.

O personagem é um ex-marido, um pai que vê a filha com restrições de tempo e um filho que em determinado momento constituiu família e, portanto, também já não pertence mais ao núcleo familiar dos pais e irmão. Assim, neste filme, vemos um homem deslocado em processo de reposicionamento de identidade.

A arte é a válvula de desabafo das aflições do protagonista. Em seus quadros ele quase sempre retrata homens nus, atormentados e inadequados. Somente a esperteza da pequena Celeste é capaz de fazer Belmonte confrontar o que ele acha que deveria ser com o que ele de fato pode ser. 

Ao final, Belmonte certamente não mostra-se um filme inesquecível ou grandioso. Mas trata-se de uma obra eficiente, que passa a mensagem que deseja passar. De qualquer forma, é sempre bom ver filmes latino-americanos tratando de nuances da masculinidade. 

Leia também: A Sombra do Pai: “Sentimentos param a máquina de produção capitalista”, diz diretora

Ficha técnica

Direção: Federico Veiroj

Duração: 1h15

País: Espanha, Uruguai, México

Ano: 2018

Elenco: Gonzalo Delgado, Olivia Molinaro Eijo, Jeannette Sauksteliskis

Gênero: Drama

Distribuição: Netflix

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta