Crítica: Liga da Justiça

Quando a Warner Bros. confirmou a produção de Liga da Justiça e de todo o universo cinematográfico da DC Comics, os fãs foram à loucura. Mas, sob suas cabeças, pairou a dúvida de que a DC seria mesmo capaz de transformar suas histórias tão bem quanto a concorrente Marvel.

Em 2012, Os Vingadores foi um verdadeiro sucesso de crítica e de bilheteria. Daí em diante, a Walt Disney Pictures catapultou a popularidade de seus filmes de super-heróis, trazendo, quase que com unanimidade de público, uma alta qualidade ao Universo Marvel. Quanto à DC, em 2013, com o lançamento de O Homem de Aço – o primeiro filme de Henry Cavill como Superman –, a Warner viu-se bem atrás de sua rival, tanto para a crítica especializada quanto para o público.

A rixa entre Marvel e DC intensificou-se à medida em que os polêmicos filmes desta última eram lançados no cinema. Batman vs Superman: A Origem da Justiça (2016) conseguiu atingir níveis satisfatórios de bilheteria, mas a crítica apresentou baixa aprovação. O filme tem uma vasta lista de problemas e sua má execução é inegável. Já o seguinte Esquadrão Suicida consegue ser ainda pior.

Neste ano, com Mulher-Maravilha, a DC finalmente nos entregou um longa-metragem digno de apreço. Sendo assim, as expectativas para Liga da Justiça aumentaram um pouco, mas não o suficiente para esquecer os fracassos antecessores da empresa. Zack Snyder retorna na direção do primeiro filme da Liga. Batman (Ben Affleck), Mulher-Maravilha (Gal Gadot), Aquaman (Jason Momoa), Flash (Ezra Miller) e Cyborg (Ray Fisher) reúnem-se para evitar que um poderoso inimigo ataque o planeta.

Em primeiro lugar, apesar de todos os pesares, e considerando a baixa média de aprovação da crítica, Liga da Justiça é um bom filme. Ele é supreendentemente divertido e apresenta um enredo amarrado. A harmonia entre os integrantes do grupo é inegável e todos os atores entregam boas atuações.

Imagem: divulgação

A cena de introdução traz um Batman bastante amadurecido, lutando em um cenário “a la Gotham de Tim Burton”. Em seguida, há uma espécie de clipe musical, construído a partir das técnicas mais usadas por Snyder – como câmera lenta e explosões –, e uma sequência fantástica da Mulher-Maravilha em ação. As primeiras cenas do filme já trazem um clima bem diferente do de Batman vs Superman. Está claro que a produção quis mostrar que aprendeu com as reprovações anteriores e inovou em seu estilo; principalmente através da fotografia mais colorida que a DC adotou em seus dois últimos filmes. E, o mais importante, é que isso tudo funciona.

Ezra Miller é o principal alívio cômico do longa. Sua atuação competente não transforma Barry Allen (o Flash) em alguém cansativo, mas sim carismático e até mesmo ingênuo. O Aquaman de Jason Momoa é basicamente o integrante mais descolado da Liga. Protagonizando cenas na inédita Atlantis, embaixo d’água, temos um vislumbre de como será seu filme solo. Quanto ao Cyborg, sua trama individual é, talvez, a menos explorada, mas não o suficiente para o personagem passar despercebido ou ter sua forte personalidade diminuída.

O filme sofre com a falta de representatividade feminina, mesmo com uma sequência fenomenal das Amazonas em Themyscira, e já que Diana Prince é a única integrante mulher da Liga. Além disso, um dos problemas do longa está na rápida resolução do ato final, o que deu um tom simplista demais à história.

No mais, Liga da Justiça guarda surpresas agradáveis – e a maior delas é justamente a qualidade do filme. Não há enrolação e nem muitas pontas soltas, como há em exaustão em Batman vs Superman. Liga se propõe a ser exatamente aquilo que um filme de super-heróis é: uma série de efeitos especiais de última geração, com personagens carismáticos e uma boa narração. Aguardemos os próximos longas da DC, e que eles não percam a qualidade adotada recentemente.

*Texto originalmente publicado em 23/11/17

 

Ficha técnica

Ano: 2017

Duração: 2h

Direção: Zack Snyder

Elenco: Gal Gadot, Ben Affleck, Ezra Miller, Jason Momoa, Ray Fisher

Distribuidora: Warner Bros

País: EUA

 

COMENTÁRIOS

1 comentário sobre “Crítica: Liga da Justiça”

  1. a verdade é que ambas as franquias são comerciais, e o público que conhece precisa abrir muitas concessões para curtir. vingadores é quase infantil e não tem o porte dramático em nenhum filme da série, enquanto a DC não tem bons protagonistas, no máximo a mulher maravilha se sobressai. um superman tonto, um batman canastrão, um flash bobo… um dia, quem sabe, existirá uma liga da justiça moderna, com a devida carga de construção psicológica e dramática, mas, obviamente, não será de hollywood…

Deixe uma resposta