Por que assistir à 2ª temporada de (Des)encanto

Com dez novos episódios, (Des)encanto, a mais recente animação adulta de Matt Groening (também criador de Os Simpsons e Futurama), já está disponível na Netflix. Tendo estreado no streaming na última sexta-feira (20), a segunda temporada da série original da plataforma traz aventuras inéditas da princesa Tiabeanie, ou Bean (Abbi Jacobson), do demônio Luci (Eric Andre) e de Elfo (Nat Faxon) – com nome autoexplicativo.

Na medieval e fantasiosa Terra dos Sonhos, o Rei Zøg (John DiMaggio) encontra-se isolado em seu castelo graças a acontecimentos passados e que culminaram na petrificação de quase todo o reino. Por sorte, ou eficácia da Rainha Dagmar (Sharon Horgan), mãe de Bean, a princesa nada indefesa (e muito empoderada) permanece ilesa e a caminho de uma nova terra. Enquanto isso, Luci fora capturado e a alma de Elfo “vive” em paz no Paraíso – sim, na própria morada da figura personificada de Deus.

Imagem da segunda temporada de (Des)encanto. A princesa Bean (Abbi Jacobson) segura o demônio Luci (Eric Andre) no colo. Ambos encontram-se sozinhos em uma sala pequena e iluminada apenas por um castiçal. Atrás deles, há uma estante cheia potes e crânios. À direita da imagem, ao lado do castiçal e em cima de uma mesa, há uma mão decepada que serve de cabide a um amuleto. Bean e Luci sorriem um para o outro.
Imagem: divulgação

Com voz masculina e rosto encoberto por uma forte luz branca, o Deus de (Des)encanto não condena quaisquer práticas sexuais ou comportamentos usualmente censurados pela Igreja Católica, por exemplo; mesmo que a representação de sua aparência esteja bem próxima à do cristianismo. Mas, não se engane, há coisas extremamente banais que podem provocar a ira de Deus e fazê-lo rebaixar qualquer um ao Inferno; tal como nas mais irônicas e absurdas resoluções de uma boa e velha produção de Groening.

Assim, na esperança de ressuscitar Elfo, Bean reencontra com Luci e ambos decidem resgatar a alma do primeiro no “andar de baixo”; afinal, de Inferno e Diabo, Luci entende bastante. Já quanto ao mandachuva das terras infernais, este também é retratado segundo o imaginário popular ocidental: com pele vermelha, chifres de bode e um rabo pontiagudo. Logo, a maior surpresa do espectador, talvez, consista na cômica ingenuidade do Capeta; uma vez que este cai com facilidade nas peripécias mais idiotas do trio de protagonistas.

Os cenários de (Des)encanto

Até certa altura desta temporada, a trama e os conflitos herdados da primeira são explorados quase que ininterruptamente; como em uma série na qual os episódios complementam-se a cada cena. Entretanto, no intuito de acompanhar o caráter leve e o ritmo de sitcom da temporada anterior, (Des)encanto começa e encerra a maior parte de suas histórias em um único episódio.

Isso fica evidente quando o Rei Zøg apaixona-se de novo, após a desilusão com Dagmar e o divórcio com Oona (Tress MacNeille); bem como quando a vila recém-inaugurada dos elfos em Terra dos Sonhos é atingida por um surto infeccioso. Em ambos os casos, tais situações resolvem-se em cerca de vinte minutos. Mesmo assim, há alguns elementos que rendem conflitos mais épicos e complexos, e que reaparecem depois de alguns episódios.

Imagem de divulgação da segunda temporada de (Des)encanto. Bean (Abbi Jacobson), Luci (Eric Andre) e Elfo (Nat Faxon) encontram-se em posições de ataque, no centro da imagem. Bean e Elfo seguram, cada um, uma espada. Ao redor do trio, há vários galhos retorcidos que parecem vir de cima. Os personagens estão destacados por uma luz amarela. Já a vegetação, embaixo dos galhos, tem cores mais frias e azuladas.
Imagem: divulgação

Portanto, há algumas pontas soltas ou ambientes estranhos, até mesmo às bizarrices daquele universo (como a civilização steampunk que é introduzida no penúltimo episódio); mas, nada que não possa receber mais atenção em uma próxima temporada. De toda forma, a química hilária entre a princesa alcoólatra, o elfo renegado e o demônio nanico está ainda melhor.

Desta vez, (Des)encanto dá sinais de uma direção e controle aperfeiçoados de seu roteiro – o que também traz maior segurança ao espectador quanto à infinidade de possibilidades interessantes para a trama. Além disso, cores vívidas, piadas contemporâneas e alguma animação em 3D são o arremate para que a original Netflix conquiste cada vez mais fãs entusiasmados.

Teaser oficial legendado:

Netflix Brasil / YouTube

Ficha técnica

Criação: Matt Groening, Josh Weinstein

País: EUA

Ano: 2019

Elenco: Abbi Jacobson, Eric André, Nat Faxon, John DiMaggio

Gênero: Animação, Aventura, Comédia

Distribuição: Netflix

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta