Los Silencios, um filme brasileiro sobre fantasmas

Tendo estreado nos cinemas brasileiros em abril deste ano, Los Silencios, longa-metragem escrito e dirigido pela brasileira Beatriz Seigner, trata de uma realidade permanente, e por vezes acentuada, na América Latina: os deslocamentos.

Na trama, a protagonista Amparo  (Marleyda Soto) é uma mulher humilde e mãe de dois filhos. Ela acredita ter perdido o marido (Enrique Diaz) para a violência e, por isso, está fugindo dos conflitos armados da Colômbia para proteger as crianças.

Assim que chega a uma pequena ilha na Amazônia, na região da tríplice fronteira de Colômbia, Peru e Brasil, Amparo enfrenta percalços para se instalar, conseguir asilo do governo brasileiro, arrumar um emprego e transformar uma cabana em lar.

O drama, que agora está disponível para aluguel e compra no Looke, Google Play e Now, é resultado de uma coprodução entre Brasil, Colômbia e França. Nele, a diretora mistura realismo e sobrenatural para criar uma atmosfera que vai do documental ao poético e extraordinário. 

Ao final, fica a sensação de suspensão, criada tanto pelo desconhecimento do futuro como pelos detalhes e revelações próprios dos gêneros que lidam com o desconhecido. Torna-se impossível, portanto, não querer asistir a Los Silencios mais de uma vez, para absorver todas as suas particularidades. 

OS FANTASMAS LATINO-AMERICANOS

No filme,  fantasmas são literais e metafóricos. Eles surgem nas entranhas dos silêncios da jornada da protagonista, da ausência do que dizer para manifestar o que se sente.

Imagem: divulgação

O deslocamento de Amparo, permeado por luto, violências, incertezas e vulnerabilidades sociais, é doloroso; ao fugir, ela é obrigada a deixar muita coisa para trás, sem saber o que encontrará à frente.

No dia a dia, tentando estabelecer alguma rotina de normalidade,  a personagem é confrontada a todo momento pela memória dos que foram e pelas necessidades dos que ficaram. Passado e futuro são, assim, pesos determinantes para moldar seu presente. 

Tal como é mostrado no filme, são vários os fantasmas da América Latina. As condições econômicas, sociais e políticas da região, bem como seus mortos e desaparecidos, assombram uma parcela significativa da população. Desigualdades, conflitos, exploração, abandono e injustiça geram movimentações forçadas de indivíduos e fazem mais vítimas todos os dias. 

PROTAGONISMO FEMININO

Los Silencios é também um filme essencialmente feminino. Primeiro, porque a equipe que trabalhou no projeto foi formada majoritariamente por mulheres. E, segundo, porque enquanto Amparo representa milhões de mulheres que, por inúmeras razões, tornam-se chefes de família e precisam cuidar sozinhas dos filhos, sua filha Nuria (María Paula Tabares Peña) simboliza a infância desnorteada.

Amparo (Marleyda Soto)/ Divulgação

Conflitos armados e violência gráfica nunca são postos em tela, mas suas consequências são sentidas diretamente na vida das personagens. Assim, maternidade, infância e luta pela sobrevivência assumem o centro temático da obra.

A trajetória de Amparo se cruza com a de muitas outras mulheres e abre espaço para a representação da solidão da mulher mãe deslocada, que necessita buscar refúgio para cuidar do que lhe restou de família sem sequer ter o corpo daqueles que foram assassinados para velar.

FOTOGRAFIA

É no visual que o realismo e o fantástico se encontram com maior potência na obra.  A fotografia de Sofia Oggioni e a direção de arte de Marcela Gómez criam o contraste ideal entre a crueza da realidade e os mistérios daquilo que não pode ser compreendido.

‘Los Silencios’ / Divulgação

Por vezes, cenas com pouca iluminação envolvem o cotidiano de Amparo, vitimado por diferentes manifestações de violência. Em outras ocasiões, cores neon acenam para algo de místico e alegórico. A protagonista lida, o tempo todo, com o material e o imaterial, projetados nos aspectos mais corriqueiros de sua rotina. Dessa forma, o filme alcança camadas mais subjetivas para tratar de estados de dúvida. 

Amparo, a comunidade da ilha e os desaparecidos da Colômbia (mortos ou não) vivem, afinal,  numa constante condição de não-lugar, de não-pertencimento, de inconstância. São indivíduos em transição – da vida para a morte, de um país para outro, de uma casa para outra. 

Los Silencios pode ser considerado um filme brasileiro sobre fantasmas, sem dúvidas; mas ele não passa pelo terror. Em vez disso, entrega, aos poucos, peças para que o espectador entenda por si mesmo onde o enredo deseja chegar. A trajetória do suspense é construída com paciência e, aqui, o sobrenatural opera a favor de um drama social inebriante e desafiador. Fica para os últimos minutos a surpresa de um filme que se mostra mais de gênero do que poderíamos imaginar. 

Leia também: “Compra-me um Revólver: um conto nada encantado sobre ser garota em um México tomado pela violência”.
Trailer:
(Fonte: Vitrine Filmes/ YouTube)

Ficha Técnica: 

Direção: Beatriz Seigner

Duração: 1h29

País: Brasil, Colômbia, França

Ano: 2019

Elenco: Marleyda Soto, Enrique Díaz, María Paula Tabares Peña

Gênero: Drama 

Distribuição: Vitrine Filmes

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta