Conheça os vencedores dos Prêmios Platino 2019

Aconteceu na noite do último domingo (12), na Riviera Maya, México, a cerimônia da 6ª edição dos Prêmios Platino de cinema ibero-americano. Transmitido ao vivo pelo Canal Brasil, o evento celebrou a produção audiovisual de 23 países (América Latina, Espanha e Portugal), que se reuniram pelo cinema e para compartilhar o melhor de suas culturas com o mundo.

O México, além de sediar o Platino 2019, brilhou na premiação e ficou atrás somente da Espanha em número de estatuetas. Roma, filme de Alfonso Cuarón,  concorreu em nove categorias e foi premiado cinco vezes: Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Direção de Som, Melhor Roteiro e Melhor Direção de Fotografia. Além disso, pela votação do público o país levou também os prêmios de Melhor Filme e Melhor Atriz, para Yalitza Aparicio. Já a original Netflix La Casa de las Flores rendeu o prêmio de Melhor Interpretação Feminina em Minissérie ou Telessérie para a mexicana Cecilia Suárez, enquanto o ator mexicano Diego Luna levou a categoria de Melhor Interpretação Masculina em Minissérie ou Telessérie por Narcos: México.

Vídeo de apresentação da 6ª edição dos Prêmios Platino (Fonte: PremiosPlatino/ YouTube)

O Brasil concorreu apenas a Melhor Música Original (Edu Lobo, O Grande Circo Místico) e Melhor Direção de Arte (Artur Pinheiro, O Grande Circo Místico), e não conseguiu nenhuma estatueta. O Paraguai, por sua vez, conquistou seus dois primeiros Platino (Melhor Estreia de Ficção e Melhor Interpretação Feminina) graças ao filme As Herdeiras.

Neste ano, os Prêmios Platino se comprometeram com a iniciativa “17 prêmios, 17 objetivos das Nações Unidas para criar um mundo melhor”. Assim, cada uma das estatuetas representou um objetivo, urgente e universal, por um futuro mais justo, pacífico e com maior qualidade de vida para todos os seus habitantes.

Em comparação ao ano passado, a premiação contou com menos mulheres indicadas nas categorias de criação e quase nenhuma indicada nas categorias técnicas. Destacaram-se: Angélica Perea, colombiana que desbancou Roma e levou o prêmio de Melhor Direção de Arte por Pássaros de Verão; e a espanhola Almudena Carracedo, que recebeu o prêmio de Melhor Documentário por O Silêncio dos Outros e disse esperar  que o prêmio faça com que o filme seja visto também na América Latina, podendo assim colaborar para o diálogo sobre memória.

Apesar das indicações majoritariamente masculinas, a cerimônia foi marcada por muitos discursos a favor dos direitos humanos – sobre gênero, raça e religião, principalmente. A certa altura, Yalitza Aparício pediu pra todas as pessoas presentes darem as mãos em nome da equidade de gênero e do companheirismo entre nações.

Yalitza Aparicio e Tenoch Huerta de mãos dadas em nome da equidade de gênero e do companheirismo entre nações. Foto: José Méndez (EFE)

Outra pauta importante levantada pelo evento foi a importância da coprodução entre países ibero-americanos para dar continuidade à boa leva de filmes recentes produzidos na região e fortalecer uma indústria coletiva, que possa reunir todos os países envolvidos para aumentar suas potências em conjunto e ao mesmo tempo preservar suas individualidades.

Nos momentos de descontração foram feitas algumas brincadeiras ácidas sobre o presidente norte-americano Donald Trump e sobre a quantidade exorbitante de séries latino-americanas que tratam de narcotráfico e violência. Depois, o  comediante espanhol Edu Soto puxou uma paródia de Bella Ciao – música que ficou famosa por conta da série La Casa de Papel. A letra celebrava a importância dos Prêmios Platino para a comunidade ibero-americana, a diversidade de sotaques na língua espanhola e a participação do português.

Confira a lista completa de indicados e ganhadores (em negrito) da 6ª edição dos Prêmios Platino e saiba onde encontrar os filmes que já chegaram ao Brasil:

MELHOR FILME DE ESTREIA

Carmen & Lola (Espanha)

A família (Venezuela, Chile)

As Herdeiras (Paraguai, Uruguai, Brasil) – Disponível no Google Play

Viagem ao quarto de uma mãe (Espanha)

MELHOR DOCUMENTÁRIO

Camarão, flamenco e revolução (Espanha)

O Silêncio dos outros (Espanha) – Já estreou nos cinemas brasileiros, mas ainda não está disponível nos serviços de vídeo sob demanda

A liberdade do diabo (México)

Eu não me chamo Rubén Blades (Panamá, Argentina, Colômbia)

MELHOR FILME DE FICÇÃO

Campeões (Espanha)

A Noite de 12 Anos (Espanha, Argentina, Uruguai) – Disponível na Netflix

Pássaros de Verão (Colômbia, México)

Roma  (México) – Disponível na Netflix

MELHOR ROTEIRO

​​Alfonso Cuarón – Roma (México)

​​Álvaro Brechner – A Noite de 12 Anos (Espanha, Argentina, Uruguai)

David Márques, Javier Fesser – Campeões (Espanha)

Marcelo Martinessi – As Herdeiras (Paraguai, Uruguai, Brasil)

MELHOR DIREÇÃO

​Alfonso Cuarón – Roma (México)

​​Álvaro Brechner – A Noite de 12 Anos (Espanha, Argentina, Uruguai)

Cristina Gallego, Ciro Guerra – Pássaros de Verão (Colômbia, México)

Javier Fesser – Campeões (Espanha)

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA

Alfonso Cuarón – Roma (México)

Carlos Catalán – A Noite de 12 Anos (Espanha, Argentina, Uruguai)

David Gallego – Pássaros de verão (Colômbia, México)

Luis Armando Arteaga – As Herdeiras (Paraguai, Uruguai, Brasil)

MELHOR DIREÇÃO DE SOM

Carlos E. García, Claus Linge, Marco Salaverria –  Pássaros de Verão (Colômbia, México)

José Luis Díaz – O Anjo (Argentina, Espanha) – o filme ainda em cartaz em alguns cinemas brasileiros

Roberto Fernández, Alfonso Raposo – O reino (Espanha)

Sergio Díaz, Skip Lievsay, Craig Henighan, José Antonio García – Roma (México)

MELHOR MÚSICA ORIGINAL

Alberto Iglesias – Yuli (Espanha)

Edu Lobo – O grande circo místico (Brasil, Portugal) – Disponível no Google Play

Federico Jusid – A Noite de 12 Anos (Espanha, Argentina, Uruguai)

Oliver Arson – O reino (Espanha)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Angélica Perea – Pássaros de Verão (Colômbia, México)

Artur Pinheiro – O grande circo místico (Brasil, Portugal)

Benjamín Fernández – O homem que matou Dom Quixote (Espanha, Portugal)

Eugenio Caballero – Roma (México)

MELHOR DIREÇÃO DE MONTAGEM

Alberto Del Campo – O reino (Espanha)

Alfonso Cuarón, Adam Gough – Roma (México)

Guillermo Gatti –  O Anjo (Argentina, Espanha)

Miguel Schverdfinger –  Pássaros de Verão (Colômbia, México)

MELHOR ANIMAÇÃO

A casa lobo (Chile)

Memórias de um homem de pijama (Espanha)

Um dia a mais com vida (Espanha)

Vírus tropical (Colômbia)

PRÊMIO PLATINO AO CINEMA E EDUCAÇÃO EM VALORES

Campeões (Espanha)

Carmen & Lola (Espanha)

A Noite de 12 Anos (Espanha, Argentina, Uruguai)

As Herdeiras (Paraguai, Uruguai, Brasil)

MELHOR INTERPRETAÇÃO MASCULINA

Antonio De la Torre – O reino (Espanha)

Javier Bardem – Todos já sabem (Espanha)

Javier Gutiérrez – Campeões (Espanha)

Lorenzo Ferro – O Anjo (Argentina, Espanha)

MELHOR INTERPRETAÇÃO FEMININA

Ana Brun – As Herdeiras (Paraguai, Uruguai, Brasil)

Marina de Tavira – Roma (México)

Penélope Cruz – Todos já sabem (Espanha)

Yalitza Aparicio – Roma (México)

MELHOR MINISSÉRIE OU TELESSÉRIE IBERO-AMERICANA

Arde Madrid (Espanha)

O marginal II (Argentina) – Disponível na Netflix

A Casa das Flores (México) – Disponível na Netflix

Narcos: México (México) – Disponível na Netflix

MELHOR INTERPRETAÇÃO MASCULINA EM MINISSÉRIE OU TELESSÉRIE

Diego Boneta – Luís Miguel: a série (México) – Disponível na Netflix

Diego Luna – Narcos: México (México)

Javier Rey – Farinha (Espanha) – Disponível na Netflix

Nicolás Furtado – O marginal II (Argentina)

MELHOR INTERPRETAÇÃO FEMININA EM MINISSÉRIE OU TELESSÉRIE

Anna Castillo – Arde Madrid (Espanha)

Cecilia Suárez – A casa das flores (México)

Inma Cuesta – Arde Madrid (Espanha)

Najwa Nimri – Vis a Vis (Espanha)

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta