Espelho da Vida vs. Outlander: as semelhanças entre a nova novela das 6 e a série da Starz

Espelho da Vida, a nova novela das 6 da Rede Globo, acaba de estrear (nesta terça, 25) e já garante uma trama cheia de mistérios. Escrita por Elizabeth Jhin e com direção artística de Pedro Vasconcelos, o folhetim aposta em um elenco pouco conhecido pelo grande público, com nomes como o de Vitória Strada – em seu segundo trabalho na televisão, e também como protagonista –, o da estreante e influenciadora digital Kéfera Buchamann, e o de João Vicente de Castro (que atuou como o vilão de Rock Story, em 2016).

Cris (Vitória Strada) e Alain (João Vicente de Castro), em ‘Espelho da Vida’ / Divulgação

Seguindo os rumos de seus trabalhos anteriores para a emissora carioca (Amor Eterno Amor, Além do Tempo), a autora constrói o universo fictício da novela em cima da crença no espiritismo.

Cris (Strada) é uma jovem atriz que, após chegar em Rosa Branca (Minas Gerais) com o namorado Alain (Castro), um bem-sucedido diretor de novelas, entra em contato com a vida passada. E, seja por coincidência ou destino, a artista é escalada para viver Julia Castelo nos cinemas – ou melhor, para interpretar uma versão de quem ela própria já fora e, sem que saibam, em outra encarnação (também vivida por Strada).

Assim, e a partir da curta sinopse divulgada pela Rede Globo, a protagonista terá contato com um misterioso portal para o passado; e, de volta à época em que Julia viveu, poderá desvendar como e por que (ela mesma) morreu. No núcleo protagonista, Espelho da Vida também conta com nomes de peso da emissora, como Alinne Moraes, na pele da vilã Isabel, e Rafael Cardoso, como Danilo, ou o grande amor de Julia.

Outlander

Por mais distante que uma novela brasileira possa estar das produções de streaming hollywoodianas, o enredo principal de Espelho da Vida se assemelha – e muito – à “menina dos olhos” da plataforma estadunidense Starz: a épica Outlander. Tida como uma superprodução – que, tal como o folhetim da Globo, envolve misticismo, viagem no tempo, amores eternos e cenários históricos – a série britânico-americana é inspirada nos romances literários de Diana Gabaldon.

Jaime (Sam Heughan) e Claire (Caitriona Balfe), em ‘Outlander’ / Divulgação

Outlander, o primeiro livro, fora publicado pela primeira vez em 1991; sendo, portanto, bem mais antigo que a história de Elizabeth Jhin – pelo menos, do início de sua produção. Independentemente de uma obra ter sido inspirada na outra, ou não, o interessante, aqui, são as semelhanças entre essas duas histórias; ambientadas e produzidas para públicos bastante diferentes um do outro.

Enquanto que Outlander (a série) contém violência, sexo e nudez explícita, Espelho da Vida alimenta-se de sutilezas. E, assim como nos demais folhetins das 18 horas, este é de uma pureza facilmente digerida pelo público livre (com baixa classificação etária indicativa).

Tramas

Segundo o que nos é apresentado pela sinopse da série americana, Claire Randall (Caitriona Balfe) é uma enfermeira inglesa dos anos 40 que, após um período de serviço aos feridos da Segunda Guerra Mundial, viaja à Escócia com o marido, o professor de história Frank (Tobias Menzies). Em terras estrangeiras, a enfermeira descobre um portal místico que a faz viajar, acidentalmente, 200 anos no passado.

Jaime e Claire / Divulgação

Quando desperta, Claire precisa lidar com uma realidade na qual escoceses lutam contra a Inglaterra e a favor da dinastia Stuart no poder. Além disso, a protagonista encontra o antepassado de seu marido, o capitão Jonathan Randall (também interpretado por Menzies), e Jamie (Sam Heughan), um jovem escocês que mudará a percepção de vida da enfermeira.

Em comum, tanto a novela da Globo quanto a série da Starz colocam um casal de protagonistas como os forasteiros de seus ambientes centrais. Em Espelho da Vida, Cris e Alain chegam em Rosa Branca – a cidade natal do diretor de TV, mas que, atualmente, lhe é tão estranha quanto qualquer outro lugar. Para Cris, mesmo sem nunca ter estado, nesta vida, no município mineiro, Rosa Branca lhe é extremamente familiar.

Magia e espiritismo

O realismo fantástico de Outlander vai de encontro direto a Espelho da Vida, quando este último usa o artifício da viagem no tempo a seu favor. Enquanto que, na faixa das 7, acompanhamos uma família do século XIX em nosso presente (com O Tempo não Para), na faixa das 6, a viagem ao passado é o combustível motor da história. Tanto Cris quanto Claire voltam a passados anteriores às datas de seus nascimentos – o que denota o uso de certo realismo fantástico por ambas as autoras (Jhin e Gabaldon).

Cris / Divulgação

Ainda que, na novela, o espiritismo tenha uma relação bem mais íntima com a “confusão” temporal daquele universo, em Outlander, a magia pagã escocesa é a justificativa da história para a viagem de Claire a 1743. De um lado, Cris retorna à Minas Gerais dos anos 30, e pela conexão ainda existente com sua vida passada; de outro, Claire, que pode não ter voltado no tempo por motivos tão objetivos assim, enxerga a si mesma como a responsável pelo futuro nascimento do marido.

Amores transcendentais

Mais um ponto de semelhança entre as duas obras está na reutilização de seus atores. Cris e Julia, ambas as vidas terrenas de uma mesma alma, são interpretadas por Vitória Strada. Já Frank, o marido de Claire em Outlander, é vivido pelo mesmo ator de seu antepassado, John Randall (o inglês Tobias Menzies, como já antes mencionado).

Frank e John Randall (ambos Tobias Menzies) / Divulgação

E, por último, mas não menos importante, ainda que saibamos pouco sobre a novela das 6, podemos apostar, sem a menor sombra de dúvidas, que Cris (ou Julia) resgatará seu antigo e/ou verdadeiro amor – de outras vidas. Uma vez mais, Espelho da Vida lembra Outlander ao colocar o amor romântico como a finalidade principal de seus personagens. E, frisemos que, não há nada de errado nisso.

Mesmo que a novela da Globo seja inspirada em determinadas obras literárias e/ou audiovisuais, ou não, a correspondência entre sua história e a série de TV Outlander é interessante de se observar. Assim como, e enquanto, podemos desfrutar de três temporadas inteiras do programa da Starz (1ª e 2ª temporadas também disponíveis na Netflix), podemos torcer para que o folhetim das 6 cumpra com o que vem prometendo nos entregar até então: um enredo bastante original para a TV aberta brasileira.

‘Outlander’ e ‘Espelho da Vida’ / Divulgação

 

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta