Sete anos sem Amy Winehouse e a importância de sua cinebiografia

No dia 23 de julho de 2011, o mundo recebia uma triste notícia: a cantora britânica Amy Winehouse, de 27 anos, havia sido encontrada morta em sua casa em Londres. Deixando um imenso legado artístico – tanto na indústria musical quanto na moda –, Amy perdera a batalha não somente contra o abuso de álcool e entorpecentes, mas, principalmente, contra o sensacionalismo midiático e a exploração por pessoas muito próximas.

É sobre a ascensão da carreira de Winehouse, assim como sobre o declínio de sua vida privada, que o documentário Amy, de 2015, fala sobre. De Asif Kapadia (Senna: O Brasileiro, O Herói, O Campeão), o longa-metragem reúne arquivos do acervo pessoal da cantora, além de entrevistas com seus parentes e amigos, e um material de apoio inédito, como forma de reconstruir momentos marcantes da vida da britânica.

A primeira cena do filme resume muito bem o talento da futura estrela do soul: Amy, então com 14 anos, canta Happy Birthday to You, a la Marilyn Monroe, para sua amiga Lauren Gilbert. O carisma e a potencialidade vocal da adolescente anônima levam, até mesmo os fás mais fiéis de Winehouse, ao choque. Afinal, a maturidade psicológica de uma pessoa tão jovem, tal como seu tamanho vozeirão, é algo incomum.

Imagem: divulgação do filme

Assim, segue-se uma série de cenas casuais da cantora em sua intimidade. Por mais que o diretor retome filmagens já mostradas em partes diferentes do filme, a montagem da narrativa acompanha a carreira meteórica da estrela musical de modo cronológico; sendo iniciada com suas primeiras apresentações em público, e terminando com sua morte.

Desde muito cedo, Amy teve de lidar com a separação dos pais e com a distância deixada pela figura paterna. Mitch Winehouse, o controverso pai da artista, aparece no documentário de maneira essencialmente crítica – mostrando como, através de certo descaso e ambição por parte do mesmo, a jovem Winehouse, com sua extrema sensibilidade, mergulhou cada vez mais fundo em um sofrimento extenso.

Não bastasse a carência afetiva que sentia em relação ao pai, Amy, como canta em What is It About Men (de seu primeiro álbum, Frank, de 2003), “Eu não posso lhe ajudar, mas posso demonstrar meu destino freudiano“. Logo, como uma profetiza, Winehouse previu a infelicidade amorosa de seu primeiro, e único, casamento. Em 2007, após o lançamento do álbum mais vendido do mundo naquele ano, Back to Black, Amy casou-se com Blake Fielder-Civil.

Gravação da canção ‘Back to Black’ / divulgação filme

Seu então marido era, na verdade, o destinatário de todas as músicas do sofrido Back to Black. Tirando o single Rehab, as outras faixas do álbum são uma lamentação de Amy por sua decepção amorosa. Logo após Frank, a cantora perdera a querida avó e fora preterida por Blake, que optou por ficar com sua namorada (Amy era, na época, a amante do futuro marido). Por essas dificuldades e uma bulimia nervosa, a artista perdeu tanto peso que começou a chamar a atenção da imprensa britânica.

Seu vício em drogas já se encontrava tão avançado que os produtores e empresários da gravadora Universal Records aconselharam a reabilitação. Dessa história, nasceu a letra da icônica Rehab (“Tentaram me mandar para a reabilitação, mas eu disse ‘não, não, não‘”). A partir de tantos problemas, Back to Black veio como um cometa: rápido e avassalador. Até sua morte, Amy dizia ser muito difícil, emocionalmente, cantar músicas como Love is a Losing Game e a própria Back to Black.

Quanto a seu casamento, exposto no documentário como uma conveniência financeira para Blake, a convivência diária com o marido fez com que Amy voltasse a usar drogas de forma compulsiva. Daí em diante, os momentos de felicidade foram breves e pontuais na vida da cantora.

Amy, em arquivo de acervo pessoal / divulgação filme

Além de suas canções, a trilha sonora do brasileiro Antonio Pinto acompanha a jornada de Winehouse, ao longo da produção. Tanto cuidado e atenção do diretor à figura da cantora fizeram com que o documentário fosse aclamado por crítica e público, e levasse inúmeros prêmios; dentre eles, o Oscar 2016 e o BAFTA de Melhor Documentário, além do Grammy Award de Melhor Vídeo Musical Longo.

Por falar em Grammy, Amy foi premiada como Artista Revelação, Melhor Álbum Vocal pop, Canção do Ano (Rehab) e Gravação do Ano (Rehab), em 2008; já em 2012, a cantora foi homenageada postumamente por sua Performance pop Por Duo, em Body and Soul, com Tony Bennett.

A cerimônia de 2008, aliás, aparece em uma das cenas mais divertidas e doces do longa-metragem, uma vez que a cantora mal sabe como conter a emoção ao vencer o prêmio mais importante da noite. Naquele mesmo dia, no entanto, momentos depois de levar o prêmio, a artista confessa à sua amiga, Juliette Ashby, que tudo aquilo era “muito chato sem drogas”.

Amy, nos Grammy Awards 2008 / divulgação filme

Não bastasse ter de lutar para parecer bem em frente às telas, Amy enfrentava os olhos curiosos e mal-intencionados da mídia. Com isso, sua saúde psicológica deteriorou-se por completo. A “lição” que Kapadia revela ao público, com o documentário, é a de que a imprensa serviu como combustível motor para que Winehouse não conseguisse se reerguer. O assédio era diário e todos se aproveitavam do mau estado de Amy, lucrando diretamente com isso. Além do que, o próprio público, que consumia esse tipo de “notícia” sobre alguém claramente doente, contribuiu para o fim da carreira de Winehouse – e também de sua vida.

Amy, o filme, é triste, mas necessário. Quando expomos pessoas debilitadas na internet, ou exercemos a (injusta) justiça com as próprias mãos – depreciando outros seres humanos –, estamos ajudando a acabar com a pessoa em questão. Amy Winehouse era uma pessoa extremamente talentosa, de bom coração e dedicada, mas vítima de uma sociedade muito cruel. Mesmo com sua situação delicada, muitos indivíduos não tiveram o menor pudor ao colocar a jovem artista no papel de uma “mera louca”.

Tal como para a Princesa Diana, a atriz Lindsay Lohan e diversas outras personalidades que sofreram ataques da imprensa, Amy teve sua vida afetada para sempre. Agora, o que nos resta é seu legado musical, juntamente com a consciência de que uma pessoa tão única quanto ela merecia ter tido um destino totalmente diferente.

Cartaz de ‘Amy’ / Divulgação

 

Ficha técnica

Amy ou Amy: The Girl Behind The Name

Duração: 2h08

Direção: Asif Kapadia

Ano: 2015

Produção: Universal Music, Playmaker Films e Krishwerkz Entertainment

Distribuição: Altitude Film Distribution (no Reino Unido)

Gênero: Documentário

País: Reino Unido

 

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta