Se Eu Fechar os Olhos Agora: baseada na obra homônima de Edney Silvestre, minissérie estreia hoje na Globo

Baseada no livro homônimo do jornalista Edney Silvestre, Se Eu Fechar os Olhos Agora estreia na TV aberta nesta segunda-feira (15), na faixa das 23 horas da Rede Globo. Disponível na íntegra para assinantes da Globoplay desde o dia 8, a minissérie em 10 capítulos será exibida na grade da emissora às segundas, terças, quintas e sextas.

A produção, roteirizada para a televisão por Ricardo Linhares e com direção artística de Carlos Manga Jr, é ambientada no início da década de 1960, na cidade fictícia de São Miguel, localizada na zona do café do interior do Rio de Janeiro.

‘Se Eu Fechar os Olhos Agora’ / Divulgação

Numa tarde ensolarada, dois garotos de 12 anos, Paulo (João Gabriel D’Aleluia) e Eduardo (Xande Valois), matam aula para ir nadar no lago. Ali eles encontram, por acidente, o cadáver mutilado de uma jovem e bonita mulher, mais tarde identificada como Anita (Thainá Duarte), esposa do dentista da cidade.

A princípio, o delegado acusa os dois garotos pelo assassinato brutal da moça, mas em seguida o marido assume a culpa pelo assassinato. Descrentes da participação do homem idoso no crime e acreditando que a polícia local não tem interesse em buscar pelos verdadeiros culpados, os meninos começavam a desenvolver uma investigação paralela com ajuda do misterioso senhor Ubiratan (Antonio Fagundes).

Se Eu Fechar os Olhos Agora estreia com todos os elementos de uma boa e envolvente trama policial. Há uma comunidade repleta de segredos, disputas de poder, policiais corrompidos, queimas de arquivo, jornalistas dispostos a revirar o que está oculto e personagens infantis espertos e intrometidos. Além do que, a estética noir embala toda a São Miguel numa paleta de cores soturna e sombria, que revela o tom da relação dos habitantes – e suas posições sociais – com a dinâmica da cidade.

Thainá Duarte é Anita em ‘Se Eu Fechar os Olhos Agora’ / Divulgação

A minissérie também vai além do clássico “quem matou?”, denunciando com vigor o conservadorismo hipócrita das elites brasileiras que dominam cada rincão do país e impõem ao povo, desde a colonização e através das esferas de poder político, ideológico, policial e religioso, corrupção e violências que só fazem aumentar as dívidas históricas com negros, trabalhadores, mulheres, lgbts e militantes políticos.

A investigação do assassinato serve, portanto, como fio condutor não apenas para chegar ao desfecho que revela um assassino, mas também para desenrolar uma porção de dramas envolvendo a elite local. O arco de cada uma das personagens constrói e expõe pensamentos e comportamentos opressores que transitam por toda a história do Brasil. É assim que a produção retrata, com destreza, a espinha dorsal da formação da sociedade brasileira, tal como ela é até hoje.

Regada a pitadas de suspense e símbolos do horror, Se Eu Fechar os Olhos Agora dá complexidade à jornada de descobertas dos personagens inserindo-os num contexto realista, carregado de racismo, misoginia, homofobia e mazelas sociais que desde sempre imperam sobre o cotidiano brasileiro.

Eduardo (Xande Valois), Ubiratan (Antonio Fagundes) e Paulo (João Gabriel D’Aleluia)/ Divulgação

Aos mais atentos, algumas revelações do enredo podem soar previsíveis ao longo dos capítulos, mas nada que ofusque o encanto da adaptação, conduzida por um roteiro rico, complexo e comprometido e por uma direção artística impecável.

Além da performance do elenco de peso formado por nomes como Milton Gonçalves, Murilo Benício, Débora Falabella, Mariana Ximenes e Gabriel Braga Nunes, chama atenção a interação entre Antônio Fagundes e os dois protagonistas mirins. Os três são responsáveis por cativar o público e dar alguma leveza a esta trama espinhosa e intrincada.

Ao final, a produção opta, felizmente, por não se omitir, e numa cena dolorosamente sugestiva, dá a entender que as engrenagens que mantêm os privilégios do homem branco, cis, hétero, rico, preconceituoso e inescrupuloso seguem funcionando perfeitamente, sem nenhuma previsão de mudança efetiva do quadro.

Trailer:

(Fonte: Globo/ YouTube)

Leia também: Assédio, da Globo, rema em direção às séries gringas, mas afunda nos clichês das novelas

Ficha técnica

Criação: Ricardo Linhares

País: Brasil

Ano: 2019

Elenco: Thainá Duarte, Xande Valois, João Gabriel D’Aleluia, Milton Gonçalves, Antonio Fagundes, Murilo Benício, Débora Falabella, Mariana Ximenes

Gênero: Drama, Policial

Distribuição: Globoplay


COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta