5 filmes dirigidos por mulheres para assistir na 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Entre os dias 18 e 31 de outubro acontece a 42ª edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Ao todo, serão exibidos mais de 300 filmes, vindos de diversos lugares do mundo, e muitos deles dirigidos por mulheres. Para te ajudar a organizar sua programação em meio a tanta variedade de opções, destacamos cinco obras dirigidas por mulheres que são imperdíveis! Confira:

1. ILHA – Glenda Nicácio e Ary Rosa (Brasil)

‘Ilha’ / Divulgação

Em agosto deste ano, Glenda Nicácio rompeu um hiato de décadas e se tornou a única diretora brasileira negra a lançar um filme de ficção em circuito comercial nos últimos 30 anos. O filme era o encantador Café com Canela, codirigido por Ary Rosa.

Agora, durante a Mostra, a dupla faz seu segundo longa-metragem, Ilha, chegar às grandes telas. Dessa vez, os diretores contam a história de Emerson, um jovem da periferia que quer fazer um filme sobre a Ilha, um lugar onde quem nasce não consegue escapar. Para colocar seu plano em ação, o personagem sequestra um cineasta e os dois passam a reencenar sua vida.

Ilha é um título fundamental para quem gosta de acompanhar a diversidade do cinema nacional contemporâneo dirigido por mulheres.

Sessões na Mostra: 
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA - 26/10/18 - 19:10 - (Sexta)
CINESALA - 27/10/18 - 14:00 - (Sábado)
CINE CAIXA BELAS ARTES - 30/10/18 - 15:30 - (Terça)

 

2. FAMÍLIA SUBMERSA – Maria Alché (Argentina)

‘Família Submersa’ / Divulgação

Quando Marcela (Mercedes Morán) perde sua irmã Rina, o processo de luto e o fluxo contínuo da rotina familiar tornam sua vida um tanto quanto sufocante. A protagonista passa a viver no automático, dividindo seu tempo entre embalar as coisas da irmã, resolver burocracias e atender às demandas da família.

A vida não para enquanto ela sente dor. A filha precisa dela por estar triste depois de uma briga com o namorado. As coisas dentro de casa quebram. O filho precisa de ajuda para estudar.

Na iminência de um transbordamento de sentimentos represados, Marcela consegue um respiro ao conhecer Nacho (Esteban Bigliardi), amigo de uma de suas filhas. Dessa parceria improvável, ela tira forças para embarcar numa viagem pessoal de redescobrimento de si mesma.

Assim, ao mesmo tempo em que equilibra todos os pratos do cotidiano e da perda, recebendo parentes e lidando com pequenos conflitos, a personagem procura, em si mesma e numa certa ancestralidade, condições de bancar quem deseja ser.

Em Família Submersa, a diretora e roteirista Maria Alché consegue representar delicada e melancolicamente o que é estar sozinho em meio ao caos e a multidão. Importante destacar também a magistral interpretação de Mercedes Morán, o trabalho de cenografia e o trabalho da diretora de fotografia Hélène Louvart, que consegue criar uma atmosfera simultaneamente fresca e asfixiante.

Sessões na Mostra: 
INSTITUTO MOREIRA SALLES - PAULISTA - 18/10/18 - 19:50 - (Quinta)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - AUGUSTA ANEXO - 19/10/18 - 17:40 - (Sexta)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA - 26/10/18 - 19:15 - (Sexta)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA - 27/10/18 - 16:40 - (Sábado)
CINESALA - 28/10/18 - 14:00 - (Domingo)

 

3. TORRE DAS DONZELAS – Susanna Lira (Brasil)

‘Torre das Donzelas’ / Divulgação

Ir assistir a Torre das Donzelas é hoje mais do que buscar por um registro histórico, é um exercício político de memória; de recordar o passado para não repetir os mesmos erros no presente. Não há, portanto, melhor momento para fazer esse exercício do que outubro de 2018, momento em que o Brasil está prestes a eleger um fascista como Presidente da República.

Neste documentário, a diretora Susanna Lira procura resgatar memórias do encarceramento de presas políticas que, durante a ditadura civil-militar, ficavam detidas na Torre das Donzelas – como era chamada a penitenciária feminina.

Apesar de trazer depoimentos fortes – coletivos ou individuais, como as entrevistas à Presidenta Dilma Rousseff – o filme se esforça para registrar como essas mulheres uniam forças para fazer da prisão um lugar de formação política, atravessando as grades e buscando liberdade da maneira que podiam.

Torre das Donzelas é, então, uma obra indispensável não somente por ser dirigida por uma mulher, mas por exaltar a memória de mulheres que lutaram pela democracia em um dos períodos mais obscuros da história brasileira. Uma delas, Dilma Rousseff, alguém que anos mais tarde se tornaria a primeira presidenta mulher do Brasil e sofreria outro golpe.

Sessões na Mostra:
CINEARTE PETROBRÁS -  26/10/18 - 21:30 - (Sexta)
CINE CAIXA BELAS ARTES - 27/10/18 - 13:40 - (Sábado)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA - 30/10/18 - 15:50 - (Terça)

 

4. CAPHARNAÜM – Nadine Labaki (Líbano, França)

‘Capharnaüm’ / Divulgação

Capharnaüm, de Nadine Labaki, não levou a Palma de Ouro do Festival de Cannes 2018, mas recebeu o Prêmio do Júri, foi ovacionado por 15 minutos após sua estreia no Festival e, recentemente, foi indicado pelo Líbano para tentar o Oscar 2019 de Melhor Filme Estrangeiro.

Nesse longa de ficção, Labaki conta a história de Zain (Zain Al Rafeea), um garoto pobre de 12 anos que, apesar da pouca idade, já acumula muitas responsabilidades cuidando dos irmãos enquanto os pais vão trabalhar. Quando a irmã do menino, uma criança de 11 anos, é forçada a se casar com um homem mais velho, ele deixa a família, passa a viver nas ruas com outras crianças e refugiados e processa os pais por terem lhe dado a vida.

Através da trajetória do jovem Zain, a diretora usa o cinema para expor injustiças sociais e chamar atenção para o tema do desamparo na infância.

No Brasil, o filme ainda não tem previsão de estreia em circuito comercial, por isso, a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo é uma ótima oportunidade para você já ir conhecer essa obra que tem sido tão elogiada internacionalmente.

Sessões na Mostra:
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - AUGUSTA - 26/10/18 - 20:30 - (Sexta)
CINEARTE PETROBRÁS - 27/10/18 - 21:20 - (Sábado)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA - 30/10/18 - 21:30 - (Terça)
CINESESC - 31/10/18 - 17:40 - (Quarta)

 

5. LOS SILENCIOS – Beatriz Seigner (Brasil, França, Colômbia)

‘Los Silencios’ / Divulgação

Los Silencios, longa-metragem de ficção de Beatriz Seigner, também foi aplaudido em pé depois de sua exibição na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes 2018.

O filme, coprodução entre Brasil, França e Colômbia, acompanha a personagem Amparo (Marleyda Soto), uma mulher que depois do desaparecimento do marido (Enrique Diaz) deixa a região da fronteira entre Colômbia, Peru e Brasil, nas bordas do Rio Amazonas, para tentar criar os filhos longe da violência dos conflitos armados – mas sem conseguir escapar dos fantasmas pelo caminho.

Nas entrevistas que concedeu, Seigner sempre destacou uma certa militância de seu filme, no sentido de ser uma proposta para que o Brasil se integre mais ao resto da América Latina. Isso com certeza faz de Los Silencios um dos filmes dirigidos por mulheres indispensáveis para você que está montando sua programação.

Sessões na Mostra:
RESERVA CULTURAL - 26/10/18 - 19:30 - (Sexta)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA - FREI CANECA - 27/10/18 - 22:10 - (Sábado)
CINEARTE PETROBRÁS - 29/10/18 - 15:45 - (Segunda)

 

**Para saber mais sobre a 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, fique de olho no site oficial do evento e acompanhe a programação completa.

 

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta